É assim que acaba – Colleen Hoover (It Ends With Us)

É assim que acaba - Colleen Hoover (It Ends With Us)

ScreenHunter 81

Com esse a Colleen se superou. Definitivamente a maior obra prima dela em todos os sentidos. Ela conseguiu unir personagens bem construídos a uma história intrigante e que consegue despertar os leitores para uma questão que precisa ser mais debatida, a violência doméstica.

Dizia ela que seu maior objetivo escrevendo era entreter as pessoas, porém esse livro vai muito além disso, ela mesma admite isso nos agradecimentos. Ela definitivamente deixou sua marca com essa história, e com certeza esse livro vai ser muito lembrado quando o assunto em pauta for esse tipo de violência.

Agora por que digo isso?

Simplesmente porque Colleen conseguiu escrever uma história onde você consegue se colocar muito no lugar da pessoa sendo abusada. Geralmente, de todas as histórias que li sobre a mesma temática, nunca consegui realmente me colocar no lugar da vítima, e isso é essencial para você entender porque ela realmente não larga do agressor na maioria dos casos.

Nesta história você irá conhecer Lily Bloom, uma moça que está super chateada por quase ter acabado com o funeral de seu pai, já que na hora H não conseguiu dar o discurso que a mãe pediu sobre ele. A questão é que ela não consegue amá-lo sem ressentimentos pois a vida toda ele abusou fisicamente de sua mãe. E embora ele não tenha sido um pai ruim, ela não consegue fazer os momentos bons se sobressaírem a todos os ruins que teve.

Pensando a respeito disso em cima de um prédio vizinho de sua casa, ela encontra um médico cirurgião que está super puto da vida por ter perdido um de seus pacientes. Os dois conversam bastantes e acabam trocando várias confidências, as quais chamam de “naked truths”. Ryle confessa aí que se sente muito atraído por Lily mas não pensa em compromisso sério pois não acredita em relacionamentos. Lily por justamente acreditar em relacionamentos acaba não levando tudo muito a sério ecada um acaba seguindo seu caminho.

Após esse episódio, Lily começa a revisitar os diários que escrevia em forma de cartas desde a infância até a adolescência na tentativa de conseguir um “closure” para todo seu ressentimento com o pai. Porém além da história dos abusos do pai ela acaba mergulhando na história do seu primeiro amor com Atlas, um menino que abandonado pelos pais começa a viver numa casa abandonada perto de onde ela morava.

Lily então vai reencontrar Ryle e descobrir que ele é irmão da sua nova funcionária e amiga, e a vida dos dois irá começar a se cruzar. E é em meio a sua história sendo construída com Ryle e a toda sua história  com Atlas e com seu pai sendo revisitada nos diários que a história irá se desenrolar.

Só tenho mais um comentário a ser feito. LEIA ISSO O QUANTO ANTES. Sério, o livro vale mais do que a pena, e por mais pesado que a temática principal seja Colleen consegue fazer você ficar grudada nas páginas do início ao fim.

PS. Não leia os agradecimentos do final antes da história toda do livro senão você terá spoilers da história.

ScreenHunter 82

With this one, Colleen exceeded expectations. Definitely her greatest masterpiece in all the ways. She has managed to unite well-built characters to an intriguing story that can call the readers attention to an issue that needs to be more debated, domestic violence.

She always said her biggest writing goal was to entertain people, but that book goes way beyond that, and she admits it herself in this book special thanks. She definitely left her mark on this story, and this book is sure to be remembered when the subject is domestic violence.

Now why do I say that?

Simply because Colleen has been able to write a story where you can put yourself too much in the place of the person being abused. Generally, of all the stories I’ve read on the same topic, I’ve never really been able to put myself in the victim’s shoes, and that’s essential for you to understand why she does not really leave the abuser in most cases.

In this story you will meet Lily Bloom, a girl who is very upset to have almost finished with her father’s funeral, since she could not give the speech that the mother asked about him. The point is that she can not love him without resentment because all her life he physically abused her mother. And although he has not been a bad parent, she can not make the good times stand out to all the bad ones she’s had.

Thinking about it over a building next door to her home, she finds a surgeon doctor who is also upset about losing one of his patients. The two talk a lot and end up exchanging several confidences, which they call “naked truths”. Ryle confesses that he is very attracted to Lily but does not think of serious commitment because he doesn’t believe in relationships. Lily just by believing in relationships ends up not taking everything too seriously and the two follow their way.
After this episode, Lily begins to revisit the journals she wrote from her childhood through adolescence in an attempt to get a closure for all her resentment with her father. But in addition to the story of her father’s abuse, she ends up diving into the story of her first love with Atlas, a boy who was abandoned by his parents that begins to live in an abandoned house close to where she lives.

Lily will then meet Ryle again and discover that he is the brother of her new employee and friend, and they will get more involved. Concomitantly with her story being built with Ryle we have the whole first love story with Atlas and with his father being revisited in the diaries.

I just have one more comment to make. READ THIS AS SOON AS POSSIBLE. Seriously, the book is super worth, and despite the heavy the main theme, Colleen can get you stuck in the pages from beginning to end.

PS. Do not read the final thanks before the whole story of the book, otherwise you will have spoilers of the story.

Compartilhe

Posts recomendados

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>