12/12/08…"amor é fogo que arde sem se ver"…

 
Tinha escrito uma puta reflexão, que acabei de perder porque a página fechou do nada, falando de como o Camões faz sentido pra gente e tals e como ninguém aqui liga pra Jane Austen e nem cita ela em nada. Gente, eu amo a Jane Austen, mas só conheci ela qdo fiz cursinho porque meus professores do ensino médio não tiveram a capacidade de citá-la em nossos estudos do Romantismo. E daí que ela não é escritora portuguesa!? Eu queria saber…eu sempre quero saber de tudo, é mto bom saber um pouquinho de tudo. Acho que todo mundo em todos os países deveria pelo menos ouvir os nomes dos escritores mais famosos das outras línguas, já seria um avanço.
Anyway, eu queria só colocar aqui um poema  que sempre, sempre fez todo o sentido para mim, e acho que pra muita gente já que é o mais "famoso"do Camões…ele é simplesmente perfeito. Acho que se não for o meu poema preferido está no top 3 dos favoritos:

 

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

E semana que vem se aproxima. Mal posso esperar para entrar no cinema, sentar e me deleitar com Edward na telona.

Contando os dias para isso…
 
Compartilhe

Posts recomendados

Deixe uma resposta

Observações

  1. I was touched once again by your life’s paradox – living at full speed at the age of 26, and still finding time to penetrate the intrincated world of Camoes.You said the language does not matter, so I think you will find Robert Frost worth reading:The Road Not Takenby Robert FrostTwo roads diverged in a yellow wood,And sorry I could not travel bothAnd be one traveler, long I stoodAnd looked down one as far as I couldTo where it bent in the undergrowth;Then took the other, as just as fair,And having perhaps the better claim,Because it was grassy and wanted wear;Though as for that the passing thereHad worn them really about the same,And both that morning equally layIn leaves no step had trodden black.Oh, I kept the first for another day!Yet knowing how way leads on to way,I doubted if I should ever come back.I shall be telling this with a sighSomewhere ages and ages hence:Two roads diverged in a wood, and I–I took the one less traveled by,And that has made all the difference.

  2. Daniella Miranda Diz: dezembro 14, 2008 at 1:16 pm

    Concordo com vc Mi, deveríamos todos aprender um pouco mais sobre escritores do mundo inteiro.E agradeço também porque foi você quem me aprensentou Jane Austen! Lembra do livro que vc me deu?Eu gostaria de ler mais sobre ela e conhecer melhor.Um beijo e bom domingo para vc!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>